quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

CAPÍTULO 14: POMBAGIRA

pombagira

Antes de tudo, preciso dizer que nunca vi uma pombagira referir-se a si mesma por este termo. Vejo-as preferir serem chamadas de moças, senhoras, senhoritas, damas, etc. Já li muito na internet sobre a origem deste termo, mas, é tudo tão vago e impreciso que prefiro não comentar...

Confesso: a primeira vez que incorporei uma moça foi desconcertante! Primeiro, por que eu não estava preparado, segundo, por que eu não sabia que ia acontecer.
Eu já estava trabalhando com exu há uns dois meses, quando, num trabalho com a esquerda, depois que o exu “desceu” e as moças dos demais médiuns começaram a chegar, senti uma vibração estranha, intensa, diferente das que eu já conhecia.
Senti todo o processo da incorporação, mas não entendia que entidade era aquela. Ela não se curvou como um exu, suas mãos não assumiram aspecto de garra e eu sentia uma incrível leveza. Foi então que, lentamente, meus braços se posicionaram na cintura e tive a certeza de tratar-se de uma mulher.
Até aquele momento, trabalhara somente com espíritos de “homens” e, confesso, novamente, achava meio ridículo ver homens barbados agindo delicadamente e com voz afeminada...
Entretanto, ali, não tive escolha. A entidade gargalhava, embora contidamente; andava como quem desfila e parecia muito delicada e sensível. Pediu para se sentar, pediu um cigarro comum e uma taça de champanhe. Apresentou-se, disse chamar Rosa Vermelha da Encruzilhada e vinha apenas para um primeiro contato... Despediu-se e foi embora.
Novamente, confesso: senti-me algo envergonhado, especialmente, pelos colegas de terreiro que acabaram fazendo chacota da situação, em bom sentido, claro. Mas, logo superei. Deixei de lado as bobeiras do machismo e, com o tempo, aprendi a apreciar o sagrado feminino nas manifestações dessa bondosa dama que, conforme soube posteriormente, já me recebera como filho em algum lugar do passado...
Para encerrar este capítulo, é bom dizer que, ao contrário do senso-comum, onde as pombagiras aparecem como prostitutas em busca de prazeres ou meretrizes separadoras de maridos... As moças se apresentam de forma alegre, bem humorada e extremamente conhecedoras dos mistérios do coração. São excelentes conselheiras em questões afetivas, em relacionamentos amorosos, amizades, família, trabalho, etc.
Portanto, a sugestão que dou aos futuros médiuns que lerão este capítulo é que trabalhem com as moças com o mesmo respeito e dedicação que teriam a qualquer outra entidade.
Leonardo Montes
Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.