domingo, 3 de janeiro de 2021

DIÁRIO DE UM MÉDIUM INICIANTE - CAPÍTULO 9: GANHANDO CONFIANÇA

31 de outubro de 2015.

homem de blusa

Houve um trabalho especial, em cidade vizinha, onde compareceram mais de 200 pessoas para tomar passes e se consultar com os pretos-velhos. Somávamos em torno de 12 médiuns - dos quais mais da metade, inclusive eu -, era iniciante.

Nos trabalhos normais em nossa casa, cada médium incorporado atendia cerca de cinco pessoas por gira. Ali, a proporcionalidade era outra. Esperávamos algo na casa de vinte pessoas por médium, o que nos deixou muito aflitos, pois nunca tínhamos trabalhado com tantas pessoas.

Este foi, porém, um divisor de águas em minha vida mediúnica. 

Concentrei-me e incorporei, primeiramente, o Pai José do Congo, primeiro preto-velho com quem trabalhara. Ele atendeu algo em torno de 13 pessoas. Depois veio o Pai Arruda, que atendeu até o fim, totalizando, segundo o cambone que me auxiliava, 22 pessoas. Eu estava exausto, cansadíssimo e começava a perder a concentração no trabalho por isso.

Uma senhora se apresentou algo aflita, contou sua experiência amargurada. Entretanto, algo diferente aconteceu. Além da habitual voz do preto-velho que costumava ouvir no íntimo, eu passei a ouvir outra, bem diferente, pedindo para dizer-lhe que o tio dela, Antônio, estava ali e que ele sempre a ajudaria.

O medo tomou conta, travei a língua, nada queria dizer. A voz, no entanto, ressoava mais forte, mais impositiva, pedindo que dissesse sem receios. Depois de algum conflito mental, resolvi ceder, entregando nas mãos da espiritualidade. Pensava: e se ela não tiver nenhum tio chamado Antônio? Onde eu enfio a cara? Mas, bastava vir esse pensamento que sentia o preto-velho dizendo para confiar, para não segurar, para deixar fluir que daria tudo certo.

Calei meus pensamentos. O preto-velho redobrou esforços e falou sobre o Tio Antônio, dando, ainda, detalhes específicos do relacionamento dos dois. Para meu total espanto, ela se emocionou, disse que tinha muita afinidade com ele e que havia desencarnado há pouco mais de um ano.

A partir dessa experiência, onde finalmente consegui me entregar à manifestação, percebi uma grande mudança nas informações que circulavam por mim até o consulente. Todas as entidades com quem trabalho começaram a dar detalhes específicos que, antes, eu não permitia passar por medo de errar.

Leonardo Montes

Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.