sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

A IMPORTÂNCIA DO AUTOCUIDADO ESPIRITUAL

autocuidado

Quando ainda era cambone, iniciando meus estudos juntos às entidades, aprendi que alecrim é uma erva poderosa para nos ajudar a viver com mais alegria, tanto que as entidades brincavam dizendo que: alecrim é alegria. 

Através de observações semelhantes, aprendi princípios doutrinários, usos de ervas, banhos, rezas, firmezas, assentamentos, etc. 

Não havia propriamente um mistério, apenas um conhecimento fragmentário que, quase sempre, era exposto durante a própria gira, em conversas ocasionais e que necessitavam apenas de um ouvido atento para serem aprendidos: é a famosa vivência de terreiro, que tanto ensina aos não ficam de meia em meia hora olhando o relógio...

Contudo, aprendi também uma outra coisa: muita gente na Umbanda deixa nas mãos das entidades ou do dirigente atribuições que, em essência, são suas.

Este tipo de comportamento é compreensível no leigo, no consulente que frequenta apenas em busca do passe, mas é completamente incoerente no trabalhador de terreiro.

Voltemos ao exemplo do alecrim.

Se eu aprendi (e aprendi) que alecrim ajuda a ter mais alegria, então, quando eu me sentir triste, que devo fazer? 

a) Ligar para o dirigente do terreiro pedindo uma orientação? 

b) Esperar que algum guia venha em sonho dizer o que fazer?

c) Ficar entristecido a semana toda aguardando a próxima gira para então pedir um conselho às entidades?

d) Fazer um banho (ou defumação) com alecrim?

Percebem o que quero dizer?

Nesta prolongada quarentena, quantas pessoas deixaram a "peteca cair"? Quantas pessoas que não pisam num terreiro há meses e que nunca mais acenderam uma vela? Nunca mais fizeram um banho? Cheguei mesmo a ouvir que, desde que o terreiro encerrou os atendimentos, a pessoa não fez mais uma única oração! Como pode?

A Umbanda não se pratica apenas no terreiro. É uma filosofia de vida com ferramentas que podemos aplicar em nossa própria vida e na vida das pessoas que estão ao nosso redor!

Qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento pode fazer um banho para si, uma defumação em sua própria casa, um momento de oração em família, uma firmeza, etc.

Estas práticas, simples, são profundamente eficazes e produzem resultados quase instantaneamente!

A fé do umbandista não pode estar condicionada ao terreiro, senão, amanhã ou depois a casa fecha e aí, como fica? Nunca mais a pessoa fará nada? Fechou a casa, morreu a fé? Reflitamos!

Assim, exerça o autocuidado, afinal, a vida é sua e a responsabilidade por ela também.

Leonardo Montes 

Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.