terça-feira, 29 de dezembro de 2020

DIÁRIO DE UM MÉDIUM INICIANTE - CAPÍTULO 8: QUESTÃO DE CONSCIÊNCIA


É de conhecimento comum no meio mediúnico que as manifestações de incorporação se dão em três formas: conscientes (90% dos médiuns); semiconscientes (9% dos médiuns) e inconscientes (1% dos médiuns). Essa proporcionalidade me foi passada por uma das entidades chefes da casa onde desenvolvi.

Os médiuns inconscientes são tão raros que muitos pensam que estão extintos e definem-se por aqueles que não conservam qualquer lembrança após o transe mediúnico: tudo que as entidades fazem após a incorporação lhes é desconhecido.

Os semiconscientes são aqueles que se mantêm conscientes durante o trabalho, mas não exercem domínio sobre o próprio corpo, que age independentemente da sua vontade, sendo comum que suas lembranças se embaralhem ao final do transe.

Os conscientes - a maioria dos médiuns -, estão plenamente de posse do próprio corpo, veem tudo que acontece e recordam-se de tudo ao fim. Poderíamos dizer que trabalham em parceria com os espíritos.

Acredito que, no futuro, a literatura a respeito da incorporação necessitará rever algumas coisas. Por exemplo: de fato, existem esses três estados de consciência durante o transe mediúnico. Porém, percebi que, dentro de cada um desses estados existem níveis, variáveis. Um médium inconsciente, num trabalho, pode estar em algo semelhante a um sono profundo e em outro se encontrar como alguém que cochila. Em ambos os casos pode-se dizer que dorme, mas a profundidade do sono é bem diferente.

Outra situação: considera-se médium inconsciente o que não se recorda de nada durante o transe. Porém, consciência e memória, embora estejam ligadas, são funções mentais (ou cerebrais, para os mais materialistas), diferentes. Pode ser que um médium esteja inconsciente durante o transe e, ao final, ainda se recorde de algo? Penso que sim... Mas, deixemos isso para os estudiosos do futuro... 

Voltemos à apreciação do meu caso pessoal.

Naturalmente, as pessoas tendem a dar maior credibilidade aos médiuns inconscientes, uma vez que, neles, os espíritos podem se manifestar com quase total liberdade, que só não é absoluta, pois sempre há influência da mentalidade do encarnado na manifestação.

Como todo médium iniciante, eu desejava, também, perder a consciência. Inicialmente, o médium luta muito contra a dúvida. Perguntas, como: estou mesmo incorporado? Sou eu ou é o guia? São muito comuns. Costumo dizer, entretanto, que as dúvidas também evoluem e, ao longo de algum tempo, essas dúvidas passarão para algo, tipo: interpretei corretamente o que o espírito queria dizer?

Como médium consciente, tive que aprender a controlar os meus pensamentos e aquietar a mente, calá-la para que outro pudesse falar. Quanto mais me concentrava e menos pensava em coisas diversas, mais forte e firme era a manifestação. Isso sem dúvida não é fácil. Por vezes me sentia extremamente perdido em meus próprios pensamentos e nos das entidades que sentia como sutis intuições do que e como dizer/fazer as coisas.

Conforme os trabalhos iam ocorrendo, porém, e percebia um feedback positivo da consulência, minha confiança aumentava e sentia que, mais livremente, o guia podia atuar. 

Gradativamente, compreendi que a consciência não é um obstáculo à manifestação mediúnica e que, ao contrário do médium inconsciente que nada levava consigo após a gira, eu aprendera muito com os conselhos dos guias e com a experiência de vida dos sofredores que buscavam ajuda espiritual.

É preciso recordar, ainda, que não importa se o médium é consciente ou não. A capacidade de atuação de um guia não se limita à consciência do médium. Ainda que o espírito não consiga expressar tudo quanto gostaria verbalmente através de um médium consciente, nem por isso deixa de dar o seu recado e nem por isso seu passe tem menos eficácia.

O trabalho se inicia no momento da gira, mas quase sempre se prolonga por vários dias, semanas, meses, totalmente independente do primeiro contato que se deu através do médium...

Leonardo Montes

Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.