quarta-feira, 6 de maio de 2020

O OUTRO LADO DE TODA HISTÓRIA

Imagem do google

Certa vez o Velho me disse:

“Não adianta as pessoas chegarem aqui chorando se, por dentro, estão morrendo de rir... A gente sabe”.

Ali concluí duas coisas.

A primeira é que as entidades conseguem penetrar fundo em nossa vida mental, sabendo a verdade sobre o que pensamos, embora verbalmente possamos dizer outra coisa...

A segunda é que, por incrível que pareça, muita gente mente nos atendimentos espirituais.

O que leva as pessoas a mentir?

São muitas razões, embora, quase sempre, a mais comum seja a conveniência na narrativa dos fatos.

Não se vê muita gente disposta a se desnudar e a assumir, perante as entidades, as faltas cometidas em seu dia-a-dia, sendo mais fácil “comer pelas beiradas”, sem se expor tanto...

Lembro-me de uma senhora que comparecia aos trabalhos (e digo comparecia, pois não comparece mais) e que sempre pedia ajuda em relação a sua família.

As entidades, com uma paciência de fazer inveja, ouviam, aconselhavam, direcionavam...

Certo dia, porém, o Velho me disse:

- Veja, ela está reclamando da família, mas ela é quem faz um inferno na família.

- Mas, ela está mentindo? Perguntei...

- Ela se acostumou tanto a se vitimizar que já não faz mais distinção entre o que de fato acontece e o que ela imagina. Ela quase sempre culpa os outros dos erros que ela mesma comete...

Era um caso de mentira crônica...

Porém, quem lhe ouvisse as lamentações, certamente ficaria tentado a mover céus e terras para auxiliá-la. É neste ponto que precisamos ter cuidado.

Por esta razão, todo trabalhador de terreiro deve procurar sempre manter os olhos e ouvidos bem abertos, evitando tomar partido de causas sem ponderar com tranquilidade, pois pode acabar comprando “gato por lebre”.

Leonardo Montes

Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.