segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

QUEM PODE SER DIRIGENTE?

Imagem do google

O fato de termos, a disposição, uma série de escolas, oferecendo uma vasta gama de cursos, que necessitam apenas do nosso dinheiro e interesse para serem cursados, oferecendo a todos a possibilidade de aprenderem sobre o que quiserem, leva muitas pessoas a pensar que o mesmo valha para as atividades religiosas, isto é, que basta querer para de fato ser.

Contudo, não é bem assim!

As pessoas que desempenham um papel de direção nas atividades de um terreiro, quase sempre, chegam a estas posições à contragosto. Isto é, se fosse apenas por critério da própria vontade, provavelmente permaneceriam apenas como auxiliares diretos, dedicados, mas sem desejo de assumir qualquer papel de destaque.

Aliás, tenho dito, há bastante tempo, que a glória atribuída aos dirigentes religiosos é mais fictícia do que factual, existe mais na mente das pessoas do que no dia-a-dia de terreiro.

Ser dirigente é ser alguém 100% disponível.

Alguém que não pode se dar ao luxo de não ir ao terreiro por “não estar bem”, como um soldado, sempre à disposição do comando (espiritualidade), nunca sabendo quando será convocado a guerra (trabalho) e, por isso, precisa estar sempre vigilante.

Não deixa de ser gente, não deixa de ter defeitos e certamente não deixa de errar em sua trajetória. Contudo, sua consciência é como uma espada afiada, sempre disposta a feri-lo, caso se afaste do caminho reto...

Além do mais, é preciso recordar que os maiores problemas de um terreiro não surgem pelos vizinhos, pelos consulentes, pelos obsessores ou pelas trevas, mas pelos próprios filhos da casa que, não raro, acabam se envolvendo em disputas, picuinhas, fofocas e todo tipo de comportamento nocivo capaz de desestruturar uma casa e, no meio disso tudo, o dirigente precisa se manter firme para levar o trabalho adiante sem deixar “a peteca cair”.

É por esta razão que os dirigentes não o são por vontade própria, mas por atribuição da espiritualidade, pois ao assumirem esta função (que, diga-se, não é nenhum privilégio, antes, uma provação), eles se responsabilizam pela condução religiosa e mediúnica de várias pessoas, assumindo plena responsabilidade por qualquer falta neste sentido.

São preparados para isso antes da encarnação, necessitando apenas de bases sólidas, quando aqui chegam, para levarem adiante o compromisso anteriormente assumido, o que exigirá esforço, disciplina e boa-vontade.

Assim, digo aos afoitos: não peça uma prova maior do que a que você já possui. Se estiver em seus caminhos a direção de um terreiro, cedo ou tarde, as entidades te informarão sobre isso e, neste caso, darão início ao processo de aprendizado necessário a uma vida de renúncia e resignação, que é o que aguarda o dirigente de um terreiro.

Aqueles que teimam e abrem os próprios terreiros sem este tipo de compromisso espiritual, encontrarão um caminho de dor e sofrimento: serão cegos, conduzindo cegos.

Leonardo Montes

Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.