domingo, 24 de novembro de 2019

CURSO BÁSICO DE UMBANDA - CAP. 58 - REFORMA ÍNTIMA

Imagem do google

Reforma íntima é um assunto de acentuada importância dentro de um terreiro de Umbanda e jamais deve ser desconsiderado pelos interessados. Basicamente, este conceito se refere ao processo de autoaperfeiçoamento moral que todos devemos ter por meta em nossa vida terrena.

Inferiores

Todos os dias, ao ligarmos a TV, nos deparamos com notícias de crimes e confusões das mais diversas ordens, o que revela, em parte, a natureza do nosso mundo, ainda bastante imperfeito.

E isso acontece porque a maioria dos espíritos que encarnam na Terra são espíritos com severas dívidas com o passado, mais próximos do ponto de partida que do ponto de chegada na escala evolutiva.

De modo geral, o nosso padrão vibratório tende a ser baixo. Nós temos momentos de alegria, momentos de paz, momentos de felicidade, mas na maior parte do dia, estamos cansados, estressados, com raiva, etc. Isto é, a nossa natureza é claramente ainda inferior!

Contudo, não digo isso para desanimar, pelo contrário, o objetivo é nos conscientizarmos da nossa pequenez espiritual e, com isso, nos esforçarmos para nos tornarmo-nos pessoas melhores.

É no reconhecimento das nossas imperfeições que está a chave do aperfeiçoamento moral.

Passado

Estando claro a nossa inferioridade enquanto espíritos, é preciso não esquecer que a maioria de nós possui um passado desolador, recheado de erros, crimes e enganos, gerando uma dívida “cármica” enorme.

Esse passado bate a nossa porta constantemente, através das nossas provações e nos perseguirá por toda a vida, como um carrasco, cobrando as nossas dívidas à medida que nos impede a novos campos de ação.

É por esta razão que as entidades nos estimulam, o tempo todo, ao trabalho, a caridade, ao auxílio ao próximo, pois apagamos os erros do passado conforme escrevemos o bem nas páginas da vida atual.

É muito importante que o umbandista não se esqueça disso, até como vacina contra males como: a vaidade, a soberba, a arrogância, a prepotência que poderão jogá-lo ao chão num piscar de olhos.

Autoconhecimento

Há uma frase antiga, caída no gosto popular, que diz: Conhece-te a ti mesmo. Contudo, a frase original, era mais complexa e profunda. Ela estava no templo de Delfos e foi difundida por Platão:

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses”.

Percebe-se, assim, que a busca pelo conhecimento de si é tão antiga quanto a humanidade e isso ocorre, justamente, por ser meta essencial do processo evolutivo do espírito que, para galgar mais altos graus de espiritualidade, precisa conhecer bem o terreno que pisa.

O espírito Santo Agostinho, em O Livro dos Espíritos, sugere um método simples e eficaz para o conhecimento de si mesmo:

“Fazei o que eu fazia quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticou durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que fez, rogando a Deus e ao seu anjo guardião que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria.

Assim, é indispensável ao caminhante da senda umbandista que aprenda a conhecer-se, se de fato deseja evoluir.

Reformar-se

Reformar-se, contudo, não é um processo simples e, menos ainda, indolor. Trata-se de um esforço contínuo, com altos e baixos, avanços e retrocessos, que pode levar anos, décadas ou mesmo vidas para se concretizar.

Contudo, dure o tempo que durar, o que importa é persistirmos até o fim!

Identificar o que em nós precisa de mudança é muitas vezes doloroso, até por que, não raro, faz parte da nossa personalidade agir assim ou assado. Quantas pessoas por aí não exaltam sua truculência como um gênio forte? Quantas pessoas não se veem como pacíficas quando na verdade são simplesmente preguiçosas?

Quando alguém nos aponta o dedo, mostrando-nos a chaga, podemos nos ruborescer ou irarmos. Contudo, no processo de reforma, não haverá dedos apontando e, menos ainda, alguém nos vigiando ou cobrando nossas ações e correções: tudo acontece em nossa própria consciência!

Entretanto, nem tudo são pedras.

Deus, em sua infinita bondade, também nos oferece diversos bálsamos. O mais comum é o apoio das entidades. Como é gratificante ouvir de uma entidade que verdadeiramente conhece o nosso coração:

- Filho, estou muito feliz com seu progresso!
- Continue assim, o caminho é este!
- Fico contente em ver sua melhora!

Etc.

Os guias, como já estudamos, são como bondosos amigos que nos acompanharão durante toda essa nossa jornada e que estarão sempre dispostos a nos acolher, orientar, puxar a nossa orelha ou nos oferecer um colo amigo... Por isso, é uma verdadeira honra poder contar com esse apoio!

Como quem pratica a reforma íntima há 18 anos, aconselho:

Não tenha pressa! Você, assim como eu, deve ter séculos de erros que não serão resolvidos em poucos anos. Reformar-se é um estilo de vida, faz parte da caminhada cotidiana de procurar, gradativamente, ser uma pessoa melhor em todos os aspectos. Como dizem as entidades: incorporar é fácil, incorporar os valores das entidades, é mais difícil!

Conforme seu esforço produza frutos, as pessoas reconhecerão sua mudança e te falarão sobre isso. Receba esses elogios como incentivo a continuar no processo, mas nunca pense que ele está completo: uma vida é muito pouco para conseguirmos, verdadeiramente, evoluir.

Haverá momentos em que você se sentirá cansado, que desejará parar, jogar tudo para o alto. Quando isso acontecer, não tenha receio em pedir um tempo para você. As entidades compreenderão e te darão este tempo. Contudo, quando você se sentir mais forte, não tarde em retornar ao trabalho e ao processo de edificação de um ser melhor dentro de si mesmo.

Lembre-se sempre que não se trata de uma competição: você não está disputando com as pessoas do terreiro para ver quem conseguirá evoluir mais. Você está batalhando consigo mesmo, com suas próprias sombras, seus “demônios internos” para ver quem vencerá: se o homem velho que você sempre foi ou o homem novo que você deseja ser.

A luta é inteiramente sua para consigo mesmo.

Até a próxima aula!

Leonardo Montes 




Share:

Um comentário:

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.