sexta-feira, 8 de novembro de 2019

CURSO BÁSICO DE UMBANDA - CAP. 51 - DIRIGENTE

Imagem do google

Todo terreiro possui uma pessoa encarregada de conduzir as atividades espirituais da casa. A esta função, dão-se vários nomes: Pai de Santo, zelador, padrinho, dirigente, chefe de terreiro, médium principal, etc.

Seja qual for o nome, é uma figura central em todo terreiro, tendo a responsabilidade de conduzi-lo, conforme orientação de seus próprios guias.

Pai de Santo?

O termo “Pai de Santo” é a tradução aportuguesada de Babalorixá e faz sentido dentro dos Candomblés, onde se acredita que uma porção do Orixá é colocada no iniciado, sendo essa porção uma nova “vida” que nasce, cresce e precisa ser educada, por isso são chamados de Pai de Santo ou Mãe de Santo as pessoas encarregadas das casas de Candomblé que assumem a responsabilidade de “educar o Santo” de cada filho.

Porém, na Umbanda, este termo passou a ser empregado em algum momento na década de 1940 quando os dirigentes de terreiros começaram a se aproximar do Candomblé Ketu, em especial, trazendo para dentro da Umbanda diversas crenças e rituais que, originalmente, não lhe pertenciam, como é o caso do cargo de Pai de Santo.

Ninguém faz Santo na Umbanda. Ninguém acredita que uma porção do Orixá estará dentro do médium que se inicia na religião... Logo, por que os dirigentes continuam se referindo a si mesmos como Pai de Santo ou Mãe de Santo? É algo a se pensar...

Antigamente, nenhum dirigente de terreiro aceitava ser chamado de Pai de Santo. Conta-se que quando as pessoas chamavam Zélio de Pai, este respondia brincando que filhos ele só tinha os biológicos mesmo...

Dirigente

O termo dirigente me parece o mais adequado, pois faz referência a pessoa responsável por conduzir as atividades espirituais da casa, sem dar-lhe qualquer destaque especial por isso.

O dirigente nem sempre é o melhor ou o mais forte dos médiuns, é apenas aquele, apontando pelos espíritos, cuja tarefa espiritual exige um pouco mais de sacrifício e responsabilidade que os demais.

Por exemplo:

A maioria dos médiuns de corrente (isto é, os trabalhadores mediúnicos da casa), preocupam-se em cumprir a sua tarefa que, quase sempre, resume-se em: chegar, incorporar e ir embora.

O dirigente também tem essa responsabilidade, porém, tem outras. Ele não pode simplesmente focar em si, pois tem que estar atento a tudo. Geralmente, é o primeiro a chegar e o último a sair, preocupando-se consigo, com os outros, com a casa e, principalmente, com o futuro, de modo que este é um cargo cuja glória é mais imaginária do que factual, exigindo, não raro, muita renúncia e abnegação para ser levado a efeito...

Quem pode ser dirigente?

Muitas pessoas acreditam que qualquer um pode tornar-se dirigente, bastando para isso estudar e aprender o suficiente. Contudo, não é assim. Esta função é determinada pela espiritualidade, não é algo que se busca de livre-vontade.

Quando os espíritos apontam alguém como futuro dirigente, esta pessoa deverá se esforçar muito para aprender tudo quanto lhe seja possível absorver, todos os rituais, conhecimentos e orientações para poder dar seguimento a tarefa espiritual quando sua hora chegar.

Vamos lembrar, conforme já estudamos, que os médiuns são, em sua maioria, espíritos com pesadas dívidas com o passado. A mediunidade surge como forma de quitar estas dívidas, plantando amor onde, antes, havia plantado ódio e dor.

Com o dirigente também é assim, porém, ele veio com a responsabilidade de organizar, unir e direcionar um corpo mediúnico para que o trabalho seja exercido de forma adequada, o que quase sempre redunda em provação e é por isso que é tão fácil os dirigentes caírem.

Logo, ninguém deveria desejar este cargo, mas aceitá-lo como um fardo, uma tarefa, a qual lhe cabe cumprir com louvor, se quiser vencer suas próprias provações.

A pessoa que veio para trabalhar como médium de corrente e que decide, por si mesma, quase sempre impulsionada por uma glória imaginária, tornar-se dirigente, abrindo seu próprio terreiro, acabará dando origem a uma casa que provavelmente não se sustentará e que enfrentará muitos desafios e dissabores, pois estará exercendo uma tarefa para a qual não foi preparada espiritualmente. A chance de não dar certo é muito grande...

Desafios

Um dos maiores desafios do dirigente é manter o terreiro unido e funcionando, dentro dos critérios estabelecidos pela espiritualidade, objetivando sempre o melhor.

A maioria dos médiuns são pessoas problemáticas que, não raro, parecem dar curto em contato uns com os outros. Assim, diluir essas tensões e manter o foco, torna-se um desafio e tanto.

Ao mesmo tempo, terá que lidar com seus próprios problemas, tomando cuidado para não deixar a soberba ou a vaidade consumirem suas forças, pois será impiedosamente atacado pelas trevas.

Entretanto, se conseguir levar adiante sua tarefa (e para isso não faltarão apoio das entidades), sem dúvida, colherá muitos e proveitosos frutos de felicidade em seus caminhos espirituais.

Aceitação

É muito importante que cada pessoa aceite a tarefa que lhe foi designada, pois é muito comum encontrarmos médiuns que queriam ser cambones ou cambones que queriam ser médiuns ou mesmo médiuns que queriam ser dirigentes e dirigentes que queriam apenas ser médiuns. É o velho drama da insatisfação humana, quando não nos contentamos com nada e queremos tudo que não nos pertence.

Cada um deve cumprir o seu papel, sendo que não há papel melhor do que outro. São partes de um mesmo organismo que, para trabalhar bem, necessita que todos cumpram suas funções, sejam elas quais forem.

Conclusão

Para ser um bom dirigente na Umbanda, é necessário que o dirigente se converta no servo de todos, no amigo para todas as horas e não em uma figura enfadonha que deseja ser reverenciada como um rei, como infelizmente acontece...

O dirigente, possuindo responsabilidades maiores que os demais médiuns, será, por isso mesmo, exigido mais intensamente pela vida, razão pela qual deverá tudo fazer, dentro de suas possibilidades, para que sua tarefa seja coroada de luz.

Até a próxima aula!

Leonardo Montes



Share:

0 Comments:

Postar um comentário

Os anos de internet me ensinaram a não perder tempo com opositores sistemáticos, fanáticos, oportunistas, trolls, etc. Por isso, seja educado e faça um comentário construtivo ou o mesmo será apagado.